Os termos e siglas mais usados na logística e transporte

A Logística e o transporte tem sua linguagem e termos técnicos. Os profissionais, sejam eles menos ou mais experientes, devem conhecê-los.

por  
Unicargo
26/8/2019

Agrupei termos e siglas que julguei serem os mais importantes. Acredito que será de grande utilidade para os estudiosos do setor e também para profissionais de outras áreas que ouvem sempre estes termos e talvez não os compreendam.

Para melhor organização elenquei o material por ordem alfabética, aqueles que quiserem contribuir sugerindo outras, ou comentando as siglas e termos do setor, poderão deixar sua contribuição nos comentário.

TERMOS E SIGLAS

A

Agente de Carga – Uma companhia envolvida na coleta, consolidação, envio e distribuição de mercadorias vindas de outros países. Tipicamente, os agentes de carga cuidam das liberações nas alfândegas, preparam documentos e organizam envio, armazenamento e entregas.

AD Valorem – Taxa cobrada nas operações de transporte, referente ao seguro pago para a obtenção de ressarcimento monetário, em caso de sinistro no transporte das mercadorias. É calculado pela aplicação de um percentual (%) sobre o valor do bem, originando o uso da expressão latina que significa segundo o valor. O ressarcimento contratado no Ad Valorem é restrito a devolução monetária (dinheiro) correspondente ao valor do bem, sem impostos (valor averbado). Não há compromisso implícito de devolução do bem ou produto sinistrado.

Apólice de Seguro de Carga – Contrato firmado entre a seguradora e o contratante do seguro (embarcador, recebedor ou transportadora) onde estão definidas as principais condições do seguro de transportes de carga como: limite máximo de garantia (LMG), taxas do serviço prestado, condições cobertas, condições não cobertas e regras de segurança. As condições constantes na Apólice são a fonte para a elaboração do PGR e do trabalho a ser desenvolvido pela gerenciadora de risco.

Averbação – Registro da operação de transporte, junto a seguradora contratada, para reconhecimento da cobertura securitária, na ocorrência de um sinistro. Esse processo é normalmente realizado antes do início do transporte, garantindo que a seguradora restituirá o valor averbado. Usualmente, a averbação corresponde ao preço das mercadorias, sem os impostos cobrados na Nota Fiscal de venda. Através destes valores, são apuradas as taxas do serviço de seguro (Ad Valorem), cobrado pela seguradora do contratante da apólice (embarcador, recebedor ou transportadora).

Área de Expedição – É a área demarcada nos armazéns, próxima das rampas/plataformas de carregamento, onde os materiais que serão embarcados/carregados são pré-separados e conferidos, a fim de agilizar a operação de carregamento.

Armazém ou Warehouse – Lugar coberto, onde os materiais/produtos são recebidos, classificados, estocados e expedidos.

Atendimento de Pedidos (como indicador de eficácia) – É a quantidade de pedidos atendidos prontamente, dividida pelo total de pedidos recebidos, vezes 100%.

B

Balsa – Embarcação utilizada em rios e canais para o transporte de veículos e pessoas.

Banguela – Expressão utilizada no transporte rodoviário, que significa andar sem estar engrenado, ou seja, no ponto morto da marcha.

Batendo Lata – Expressão utilizada no transporte rodoviário, quando o caminhão volta vazio (não tem carga de retorno).

Benchmarking – Técnica que consiste em acompanhar o que as empresas líderes em seus respectivos segmentos estão utilizando processos/técnicas/métodos e adaptar o modelo para as operações da empresa, utilizando-o como referência/padrão a ser copiado. Trata-se de definir padrões internos de desempenho a partir da observação dos procedimentos adotados pelas empresas de classe mundial. É um processo de medição e comparação sistemática dos processos dos negócios de uma empresa com os líderes naqueles processos em qualquer parte do mundo, para obter informações que ajudarão a empresa a implementar ações para melhorar seu desempenho.

Bi-trem ou Reboque – É o conjunto monolítico formado pela carroceria com o conjunto de dois eixos e pelo menos quatro rodas. É engatado na carroceria do caminhão para o transporte, formando um conjunto de duas carrocerias puxadas por um só caminhão. É muito utilizado no transporte de cana de açúcar.

Blocagem ou Block Stacking – Empilhamento simples sem uso de porta-paletes, no qual os paletes são empilhados diretamente no chão.

Brainstorming (tempestade de idéias) – Tempestade cerebral ou tempestade de idéias. Trata-se de uma técnica utilizada em criatividade, quando se reúne um grupo de pessoas para terem idéias sobre um determinado assunto, situação, ou problema, sem censuras, com alguém estimulando a todos e anotando tudo o que é apresentado para, posteriormente, escolher-se as melhores idéias e, então, colocá-las em prática.

Bulk Container – Contêiner graneleiro, ou seja, próprio para o transporte de cargas à granel.

C

Cabotagem – Navegação doméstica (pela costa do País).

Cadeia de Demanda – Oposto da cadeia de suprimentos, que utiliza o processo de “empurrar”, a cadeia de demanda é impulsionada pelos clientes e não pelos fabricantes de produtos.

Cadeia de Suprimentos – Conjunto de fornecedores (e dos fornecedores dos fornecedores) de uma empresa para criação, desenvolvimento, fabricação e distribuição de seus produtos. Ver Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos.

Cálculo de Necessidades – É o método de programação da produção, baseado na demanda derivada, ou seja, todas as peças, componentes, materiais e suprimentos que vão no produto ou serviço final.

Caminhões na prateleira – Expressão utilizada no transporte rodoviário, que significa quando há ociosidade na utilização de caminhões, ficando parados à disposição de uma eventual utilização.

Carreta baú – É uma carreta fechada.

Carreta Sider – tipo de carroceria de caminhão, que tem lonas retráteis em suas laterais.

Carreta isotérmica – É uma carreta fechada, com isolamento térmico em suas paredes, que conserva a temperatura da carga.

Carreteiro – É o motorista que conduz o seu próprio veículo (caminhão) no caso do transporte rodoviário.

Cavalo Mecânico – É o conjunto monolítico formado pela cabine, motor e rodas de tração do caminhão. Pode ser engatado em vários tipos de carretas e semi-reboques, para o transporte.

Cegonheira – As cegonhas são o nome dado ao tipo de carretas especializas no transporte de automóveis

Centro de Distribuição – CD – Instalação que permite a entrada de matérias-primas, componentes ou produtos acabados, os armazena, separa e então reúne tudo para o embarque. Muitos Centros de Distribuição também possuem equipamentos especializados para manuseio e estocagem de produtos e sistemas informatizados.

Chapa – É a denominação dada ao profissional autônomo que é contratado pelo motorista de caminhão para fazer o carregamento ou descarregamento da carga, na origem ou destino (contratado também como guia em grandes centros.

Contratante do Frete – Empresa responsável pela aquisição do serviço de transporte. Essa responsabilidade tem importância para questões tributárias, fiscais, comerciais e securitárias.

Cluster – São concentrações geográficas de empresas interligadas entre si, que atuam em um mesmo setor com fornecedores especializados, provedores de serviços e instituições associadas.

Coach – Facilitador; instrutor; entidade (pessoa, equipe, departamento, empresa, etc.) que atue como agregador das capacidades de cada elemento da cadeia (equipe, departamento, empresa, etc.).

Comboio – Conjunto de veículos que seguem juntos para um mesmo destino. Utilizado principalmente por motivo de segurança; carros de munições e mantimentos que acompanham forças militares; composição ferroviária (em Portugal).

Conhecimento de Transporte – Documento emitido pela transportadora, baseado nos dados da Nota Fiscal, que informa o valor do frete e acompanha a carga. O destinatário assina o recebimento em uma das vias.

Consignatário. Pessoa física ou jurídica indicada no documento de transporte que tem o direito de reclamar os bens ao transportador, no destino. Para os efeitos legais, presume-se o proprietário da carga.

Consolidação de Cargas – Consiste em criar grandes carregamentos a partir de vários outros pequenos. Resulta em economia de escala no custo dos fretes.

Contêiner – Equipamento de metal no formato de uma grande caixa, que serve para o transporte de diversos materiais, fazendo assim uma unitização de cargas, que ao estarem acondicionados no seu interior, não sofrem danos durante o percurso e nem em caso de transbordo para outros modais.

Contract Logistic – Logística contratada: Operação delegada ao operador logístico.

Core Business – Relativo ao próprio negócio ou especialidade no negócio que faz.

Cross Docking – Expedir mercadorias diretamente da doca recebedora, sem passar pelo estoque. Utilizado para reduzir custos e tempo de execução no despacho de produtos de grande saída e/ou perecíveis (transbordo sem estocagem).

CTD – Combined Transport Document ou Documento de Transporte Combinado.

Cubagem / M3 – No transporte de cargas com baixa densidade (cargas leves), estima-se o peso transportado usando o espaço ocupado dentro da carreta, em metros cúbicos, multiplicado por um fator de densidade padronizado pelo mercado, para o tipo de material. O padrão de densidade mais utilizado é considerar 1 m3 = 300 Kgs. Após apurar a cubagem (altura X largura X comprimento), multiplica-se por 300 e assume-se o resultado como peso a ser cobrado.

Curva ABC – Demonstração gráfica com eixos de valores e quantidades, que considera os materiais divididos em três grandes grupos, de acordo com seus valores de preço/custo e quantidades, onde materiais classe “A” representam a minoria da quantidade total e a maioria do valor total, classe “C” a maioria da quantidade total e a minoria do valor total e “B” valores e quantidades intermediários.

Custo Logístico – É a somatória do custo do transporte, do custo de armazenagem e do custo de manutenção de estoque.

D

DANFE – Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica.

DACTE – Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte Eletrônico.

DDR – Dispensa de Direito de Regresso – Quando um cliente contrata serviços de transporte e possui seu próprio seguro contra sinistros com a carga, é necessário que obtenha, em sua Seguradora, o documento de Dispensa de Direito de Regresso (DDR), formalizando que a seguradora reconhecerá a transportadora contratada como preposta do tomador do serviço, tendo os mesmos direitos securitários do contratante do frete.

Data Warehouse – Armazenamento de dados.

Demanda – Em busca ou em procura de um produto ou serviço no mercado.

Demurrage ou Sobreestadia – Multa determinada em contrato, a ser paga pelo contratante de um navio, quando este demora mais do que o acordado nos portos de embarque ou de descarga.

Diárias de Transporte – Quando uma coleta ou entrega não é finalizada por algum problema com o embarcador ou destinatário, essas taxas são regidas por Leis do transporte para que remunerem a permanência do motorista, carreta e cavalo mecânico aguardando carga ou descarga na origem ou no local de entrega.

Docas – É o local intermediário que as mercadorias ficam entre a expedição e os transportes (vários modais), a fim de facilitar e agilizar a operação de carregamento e descarregamento.

Dolly ou Romeu e Julieta – Um reboque com uma quinta roda, usada para converter um semi-reboque em reboque. É muito utilizado para o transporte de cana de açúcar.

Despesas Operacionais – Segundo a Lei das S.A. – compreendem as despesas necessárias para a empresa vender, administrar e financiar suas atividades.

E

Embarcador – Pessoa ou empresa responsável pelo embarque da carga a ser transportada. Mesmo significado de remetente.

EDI – Electronic Data Interchange ou Intercâmbio Eletrônico de Dados.

Embalagem ou Package – Envoltório apropriado, aplicado diretamente ao produto para sua proteção e preservação até o consumo/utilização final.

Empilhadeira ou Fork Lift Truck – Equipamento utilizado com a finalidade de empilhar e mover cargas em diversos ambientes.

Ergonomia – Ciência que estuda a adaptação do ambiente às medidas do corpo humano, considerando assim a interação perfeita entre os funcionários e o ambiente de trabalho, como luz, calor, ruídos, odores e os equipamentos e ferramentas utilizados.

ERP – Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio.

Estoque em trânsito – Refere-se ao tempo no qual as mercadorias permanecem nos veículos de transporte durante sua entrega.

F

FIFO – First-In, First-Out ou Primeiro que Entra é o Primeiro que Sai (PEPS).

Frete CIF (Cost, Insurance and Freight – Custo, Seguro e Frete) – Indica que as despesas ou serviços de transporte serão pago pelo remetente da carga. Neste tipo de frete, o fornecedor é responsável por todos os custos e riscos com a entrega da mercadoria, incluindo o seguro marítimo ou rodoviário e frete.

Frete FOB (Free on Board – Livre a Bordo) – Indica que as despesas ou serviços de transporte serão pagos pelo destinatário da carga. Neste tipo de frete, o comprador assume todos os riscos e custos com o transporte da mercadoria, assim que ela é colocada a bordo do navio ou na transportadora.

Frete Fracionado (LTL – Less than Truck Load) – Para operações com menor volume de material, as transportadoras consolidam cargas de vários clientes em um equipamento, maximizando a ocupação do veículo. Nesta condição, utiliza-se o FRETE FRACIONADO que consiste em estipular um valor, por quilo transportado, considerando a distância, o peso das cargas e outros itens de cobrança aplicáveis neste tipo de negociação do serviço de transporte.

Frete Lotação (FTL -Full Truck Load) – Para empresa que possuem grandes volumes de cargas e necessitam de maior rapidez na entrega ou recebimento de suas remessas, é usual o transporte na modalidade FRETE LOTAÇÂO, que consiste na contratação de uma carreta exclusiva para o transporte de materiais de um único cliente. Toda a capacidade do equipamento, aproximadamente 105 M3, ficam disponíveis somente para o contratante, sem compartilhamento de espaço com outros embarcadores de frete.

Frete Peso – Valor efetivo do serviço de transporte da carga, apurado pela multiplicação do peso (o maior valor entre o peso real e o peso cubado) vezes o valor do quilo transportado entre a origem e o destino, negociado para a prestação do serviço.

Frete Valor – Outro termo usado para designar a taxa cobrada para o Seguro da Carga. Mesmo que Ad Valorem.

Fulfillment – atender no tempo e no prazo. É o conjunto de operações e atividades desde o recebimento de um pedido até sua entrega.

G

Gargalo – Fatores que configuram um estrangulamento, um impedimento a expansão ou desenvolvimento de alguma atividade econômica e entrega da mercadoria: prolemas de infra-instrutura,  falta de silos para armazenamento de grãos em certas regiões,  portos e aeroportos obsoletos, falta de capacidade de armazenagem em CDs e etc.

GRIS – Taxa cobrada nos contratos de Transportes e CT-es, usada para custear despesas com a Gerenciadora de Risco, conforme prévia negociação do serviço. Essa taxa é diferenciada da taxa de Ad Valorem, por referir-se exclusivamente ao serviço de Gerenciamento de Risco.

Gerenciadora de Risco – Empresa contratada para acompanhar as viagem rodoviária, realizando o rastreamento da operação através de monitores que informam a localização geográfica de cada equipamento em trânsito, em tempo real, no regime de 24 horas por 7 dias. Além do acompanhamento, administram o andamento do roteiro de viagem, fazendo cumprir o plano de gerenciamento de risco onde estão definidas medidas complementares de segurança, como rotas autorizadas, pontos de parada, horário de trânsito, entre outras. Em caso de sinistros, a Gerenciadora de Risco também é responsável pelas ações imediatas bloqueio do cavalo, como acionamento policial, pronta resposta, reguladora.

GPS – Global Positioning System ou Sistema de Posicionamento Global. Foi desenvolvido pelas forças armadas norte-americanas e é composto por um conjunto de 24 satélites que percorrem a órbita da Terra a cada 12 horas. Esse sistema permite que através de dispositivos eletrônicos, chamados GPS Receivers (Receptores GPS), possam ser convertidos os sinais de satélites em posicionamentos, permitindo assim a localização geográfica de qualquer objeto no globo terrestre com uma precisão em torno de 10 metros.

H

Hub – Ponto central para coletar, separar e distribuir para uma determinada área ou região específica.

I

Inbound – Dos fornecedores para as fábricas.

Incoterms – sigla que identifica os 13 termos que padronizam a linguagem usada no mercado de exportação e importação.

Índice de flexibilidade – representa a relação entre a média do lote de produção e a média do lote de entrega.

J

Just-in-Time ou JIT – é atender ao cliente interno ou externo no momento exato de sua necessidade, com as quantidades necessárias para a operação/produção, evitando-se assim a manutenção de maiores estoques.

K

Kaizen – processo de melhorias contínuas, com bom senso e baixos investimentos.

Kanban – técnica japonesa com cartões, que proporciona uma redução de estoque, otimização do fluxo de produção, redução das perdas e aumento da flexibilidade.

KLT – Klein Lagerung und Transport ou Acondicionamento e Transporte de Pequenos Componentes.

L

Lead Time – Tempo compreendido entre a primeira atividade até a última de um processo de várias atividades.

Lean Manufacturing – Produção Enxuta ou manufatura enxuta.

Localização logística – É a forma de identificar geograficamente armazéns, depósitos, filiais, veículos, clientes, etc.

Logística (1) – É o sistema de administrar qualquer tipo de negócio de forma integrada e estratégica, planejando e coordenando todas as atividades, otimizando todos os recursos disponíveis, visando o ganho global no processo no sentido operacional e financeiro. (definição de Marcos Valle Verlangieri, diretor do Guia Log).

Logística (2) – É o processo de planejar, implementar e controlar eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas e estoque durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, visando atender aos requisitos do cliente. (definição do Council of Logistics Management).

Logística (3) – Entre os gregos, arte de calcular ou aritmética aplicada. Parte da arte militar relativa ao transporte e suprimento das tropas em operações. Lógica simbólica, cujos princípios são os da lógica formal, e que emprega métodos e símbolos algébricos. (definições do Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa Caldas Aulete).

Logística (4) – do francês Logistique, Parte da arte da guerra que trata do Planejamento e da realização de projeto e desenvolvimento, obtenção, armazenamento, transporte, distribuição, reparação, manutenção e evacuação de material ( para fins operativos e administrativos ); Recrutamento, incorporação, instrução e adestramento, designação, transporte, bem estar, evacuação, hospitalização e desligamento de pessoal; Aquisição ou construção, reparação, manutenção e operação de instalações e acessórios destinados a ajudar o desempenho de qualquer função militar; Contrato ou prestação de serviços. (in, Ferreira, Aurélio Buarque de Hollanda, Novo Dicionário da Língua Portuguesa, 2ª edição, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986, p. 1045).

Logística Empresarial – Trata-se de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável. (definição de Ronald H. Ballou no seu livro “Logística Empresarial”).

Logística Reversa ou Inversa – No mercado é considerada como o caminho que a embalagem toma após a entrega dos materiais, no sentido da reciclagem das mesmas. Nunca voltando para a origem. Muitos profissionais também utilizam esta expressão para considerar o caminho inverso feito para a entrega, voltando para a origem, só que agora somente com as embalagens. Neste caso, tratam-se de embalagens reutilizáveis ou retornáveis, que são mais caras e específicas / próprias para acondicionar determinados materiais. Ocorre muito no setor automotivo para o transporte, por exemplo de pára-choques, painéis, etc.

M

MDF-e – Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscias – O MDF-e é um documento emitido e armazenado eletronicamente, de existência apenas digital, criado para vincular os documentos fiscais transportados na unidade de carga utilizada, cuja validade jurídica é garantida pela assinatura digital do emitente e autorização de uso pelo Ambiente Autorizador.

Manifesto de Carga – Documento fiscal utilizado para relacionar o conteúdo de uma unidade de carga (caminhão, carreta ou container) durante uma operação de transporte. Nele deve constar todas as NFs das cargas transportadas, não podendo existir carga não relacionada ou carga relacionada e não carregada no equipamento.

Manutenção Corretiva – Termo utilizado em Produção, que significa o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, visando reparar efetivos problemas dos componentes das máquinas e equipamentos, que comprometam a performance e desempenho dos mesmos, para que possam executar sua função normal.

Manutenção Preditiva – Termo utilizado em Produção, que significa o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se da manutenção que prediz o tempo de vida útil dos componentes das máquinas e equipamentos e as condições para que esse tempo de vida seja melhor aproveitado.

Manutenção Preventiva – Termo utilizado em Produção, que significa o conjunto de medidas operacionais técnicas de vistoria, visando evitar possíveis problemas dos componentes das máquinas e equipamentos, que comprometam a performance e desempenho dos mesmos, para que possam executar sua função normal.

Market Share – Parcela do mercado abocanhada.

Medidas de desempenho – São instrumentos utilizados para avaliar a performance de qualquer atividade logística. Podem ser relatórios, auditorias, etc. Não se pode melhorar aquilo que não mensuramos.

Milk Run – Consiste na busca do(s) produto(s) diretamente junto ao(s) fornecedor(es), de forma programada, para atender sua necessidade de abastecimento.

Modais – São os tipos/meios de transporte existentes. São eles: marítimo: (feito pelo mar), ferroviário (feito por ferrovias), rodoviário (feito por rodovias), hidroviário (feito em rios), dutoviário (feito pelos dutos) e aeroviário (feito de forma aérea).

N

Nível de Serviço Logístico – Refere-se especificamente à cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e terminando na entrega do produto ao cliente e, em alguns casos, continuando com serviços ou manutenção do equipamento ou outros tipos de apoio técnico. (definição de Warren Blanding).

O

Outbound – Fluxos da fábrica para o concessionário.

P

PCM – Planejamento e Controle de Materiais.

PCP – Planejamento e Controle da Produção.

PEPS – é a nomenclatura para o método de armazenagem, em que o produto que é o Primeiro a Entrar no estoque é o Primeiro a Sair ou First-In, First-Out (FIFO).

PGR – Plano de Gerenciamento de Risco – O Plano de Gerenciamento de Riscos (PGR) é o planejamento de todas as ações preventivas necessárias para o gerenciamento de riscos no transporte de cargas, de acordo com o grau de criticidade, o tipo de operação e a necessidade de cada cliente.

Produto Logístico – O que uma empresa oferece ao cliente com seu produto é satisfação. Se o produto for algum tipo de serviço, ele será composto de intangíveis como conveniência, distinção e qualidade. Entretanto, se o produto for um bem físico, ele também tem atributos físicos, tais como peso, volume e forma, os quais tem influência no custo logístico. (definição de Ronald H. Ballou).

Pulmão – Utilizado geralmente em fábricas, serve para proteger as atividades de produção, baseado em tempos e quantidades suficientes para não interromper o fluxo contínuo, considerando variáveis de estatísticas e de demandas, ou mesmo de gargalos operacionais.

Packing List (Romaneio) – Relação de mercadorias ou volumes.

Sobretaxa ou Surcharge – Taxa adicional cobrada além do frete normal.

Supply Chain Management – Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento.

R

Rampas de escape – Utilizadas no transporte rodoviário, são dispositivos especiais, posicionados em determinados pontos das rodovias, projetados para permitir uma saída de emergência para veículos que apresentem falhas ou perdas de freios em declives íngremes, retirando-os do fluxo de tráfego e dissipando as suas energias pela aplicação de resistência ao rolamento, desaceleração gravitacional ou ambas.

Rastreador – Equipamento instalado em veículos de transporte que permite identificar a posição do veículo em qualquer local do território nacional.

RCF-DC – Seguro de Responsabilidade Civil Facultativa do Transportador Rodoviário por Desaparecimento de Carga.

RCTR-C – Seguro de Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga.

Reboque ou bi-trem – É o conjunto monolítico formado pela carroceria com o conjunto de dois eixos e pelo menos quatro rodas. É engatado na carroceria do caminhão para o transporte, formando um conjunto de duas carrocerias puxadas por um só caminhão. É muito utilizado no transporte de cana de açúcar.

REDEX – Recinto Especial para Despacho aduaneiro de Exportação.

RFDC – Radiofrequency Data Collection ou Coleta de Dados por Radiofrequência.

RFID – Radiofrequency Identification Data ou Identificação por Radiofreqüência.

Road railer – carreta bimodal, que ao ser desengatada do cavalo mecânico, é acoplada sobre um bogie ferroviário e viaja sobre os trilhos.

Rota ou Plano de Viagem – É o percurso escolhido para o transporte, por veículos, através de vias terrestres, rios, corredores marítimos e/ou corredores aéreos, considerando a menor distância, menor tempo, menor custo ou uma combinação destes. Tudo isto, podendo estar conjugado com múltiplas origens e destinos.

S

SAC ou Customer Service – Serviço de Atendimento ao Consumidor ou Cliente.

Salvado – Termo usado para designar o material envolvido em um sinistro, que ainda possua valor comercial, normalmente de propriedade da seguradora. Após sua venda, seu valor é usado para amortizar o agravamento da apólice de seguro.

Sinistro – Denomina-se SINISTRO os eventos ocorridos durante a operação de transporte, em todas as suas etapas, que gerem o dano ou subtração do material.

Scanner – Aparelho ou sistema eletrônico que converte através de leitura ótica, informações codificadas em numeração alfanumérica ou simbolização em barras.

Semi-reboque – é o conjunto monolítico formado pela carroceria com um eixo e rodas. É engatado no cavalo mecânico ou trator para o transporte, ou ainda passa a ser utilizado como reboque, quando é engatado em um dolly. É muito utilizado no transporte de cana de açúcar.

Set-up – tempo compreendido entre a paralisação de produção de uma máquina, a troca do seu ferramental e a volta de sua produção.

Shipping ou Expedição – Departamento de uma empresa que de posse da Nota Fiscal ou uma pré-Nota Fiscal identifica, separa, embala, pesa (se necessário) e carrega os materiais nos veículos de transporte.

Shipping Area – Área de Expedição.

Sidetrack ou caminho alternativo – É quando se utiliza um percurso diferente do habitual ou previsto, por variados motivos (trânsito ruim, segurança, etc.).

SIL – Sistema de Informações Logísticas, providencia a informação especificamente necessária para subsídio da administração logística em todos os seus níveis hierárquicos.

SKU – Stock Keeping Unit ou Unidade de Manutenção de Estoque. Designa os diferentes itens de um estoque.

SLA – Service Level Agreement ou Acordo sobre o Nível de Serviço.

SLM – Service Level Management ou Gerenciamento do Nível de Serviço.

SLM – Strategic Logistics Management ou Gestão Logística Estratégica.

Smart-Tag – Etiqueta inteligente.

SMS – Short Mensaging System.

Sobretaxa ou Surcharge – Taxa adicional cobrada além do frete normal.

SPOT – Mercado (como sugere a palavra em inglês) é aquele pago à vista e com entrega imediata do produto ou serviço. Necessidade de mais veículos além do dedicado para atender uma demanda.

Stock options – Programa de Ações – um incentivo que permite aos funcionários comprar ações da empresa onde trabalham por um preço abaixo do mercado.

STV – Veículo de Transferência Ordenado.

Supply Chain Management – Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento.

T

Tacógrafo – Instrumento destinado a registrar movimentos ou velocidades; tacômetro registrador.

Tacômetro – Aparelho que serve para medir o número de rotações e, portanto, a velocidade de máquinas ou veículos; o mesmo que taquímetro.

Taquímetro – O mesmo que tacômetro.

Tara – Peso de uma unidade de transporte intermodal ou veículo sem carga. Ao se pesar o total subtrai-se a tara, chegando-se assim ao peso da carga.

Taxa de Valor Liberado ou Released-Value Rates – Taxa baseada sobre o valor do transporte.

Team Building – dinâmica de grupo em área externa, onde os participantes serão expostos a várias tarefas físicas desafiadoras, que são exemplos comparativos dos problemas do dia-a-dia da empresa. Tem como finalidade tornar uma equipe integrada.

Tempo de Compra – É o período compreendido entre a data da requisição do material até a data do fechamento do pedido.

Tempo de Transporte – É o período compreendido entre a data de entrega do material até a chegada do mesmo para o requisitante (destino).

Tempo de Ressuprimento – É a somatória do Tempo de Compra, mais o Tempo de Processamento e Embarque pelo fornecedor, mais o Tempo de Transporte, mais o Tempo de Recebimento (conferência, testes, etc.) até o material ficar disponível para utilização.

TEU – Twenty Foot Equivalent Unit. Tamanho padrão de contêiner intermodal de 20 pés.

TKU – Toneladas por quilômetro útil.

TMS – Transportation Management Systems ou Sistemas de Gerenciamento de Transporte.

Toco – Caminhão ou cavalo mecânico que possui somente dois eixos, um dianteiro e um traseiro. Este tipo de equipamento possui capacidade de carga inferior a seu assemelhado TRUCK.

Trade-off ou Compensação – Na sua forma básica, o resultado incorre em um aumento de custos em uma determinada área com o intuito de obter uma grande vantagem em relação as outras (em termos de aumento de rendimento e lucro).

Transbordo ou Transhipment – Transferir mercadorias/produtos de um para outro meio de transporte ou veículo, no decorrer do percurso da operação de entrega.

Transporte Intermodal – é a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, com emissão de documentos independentes, onde cada transportador assume responsabilidade por seu transporte. São utilizados para que determinada carga percorra o caminho entre o remetente e seu destinatário, entre os diversos modais existentes, com a responsabilidade do embarcador.

Transporte Multimodal – é a integração dos serviços de mais de um modo de transporte, utilizados para que determinada carga percorra o caminho entre o remetente e seu destinatário, entre os diversos modais existentes, sendo emitido apenas um único conhecimento de transporte pelo único responsável pelo transporte, que é o OTM – Operador de Transporte Multimodal.

Treminhões – é o conjunto formado por um caminhão normal ou cavalo mecânico mais semi-reboque, engatado em 2 reboques, formando assim um conjunto de três carrocerias puxadas por um só caminhão. É muito utilizado no transporte de cana de açúcar.

Truck – Caminhão que tem o eixo duplo na carroceria, ou seja, são 3 eixos: 2 deles são juntos. O objetivo é aguentar mais peso e propiciar melhor desempenho ao veículo.

U

UEPS – é a nomenclatura para o método de armazenagem, em que o produto que é o Último a Entrar no estoque é o Primeiro a Sair.

Unitização – é agregar diversos pacotes ou embalagens menores numa carga unitária maior.

V

VUC – Veículo Urbano de Carga.

X

XML – Extensible Markup Language, protocolo de comunicação.

W

WCS – Warehouse Control Systems ou Sistemas de Controle de Armazém.

Wireless – Sistema de acesso sem fio.

WMS – Warehouse Management Systems ou Sistemas de Gerenciamento de Armazém.

Workflow – Processo no qual a informação flui por toda organização, de maneira rápida e organizada, seguindo a sequência pré-estabelecida de tramitação.

Z

Zona de Livre Comércio ou Zona Franca – é uma zona (local ou região de um estado ou país) onde os produtos ou materiais são considerados isentos de taxas e tarifas de importação, com anuência das autoridades fiscais governamentais.

Bibilografia:

Celam – centro de estudos logísticos; Dicionário – guia log; Logística descomplicada; dicionário de Transportes.

Fonte: Achiles Rodrigues